• Região Metropolitana 22°C 32°C
  • Mata Norte 22°C 32°C
  • Mata Sul 19°C 31°C
  • Agreste 16°C 33°C
  • Sertão de Pernambuco 17°C 36°C
  • Sertão de São Francisco 20°C 36°C
  • Fernando de Noronha 25°C 31°C

Agência Pernambucana
de águas e clima  

Notícias

 

APAC divulga relatório do Monitor de Secas do Nordeste do mês de Maio

O mês de Maio historicamente apresenta  os maiores volumes de precipitação, com acumulados superiores a 150 mm no centro-norte do Maranhão, norte do Piauí e Ceará, extremo oeste da Paraíba, além de grande parte da Zona da Mata nordestina. Em maio de 2019, os volumes mais expressivos de precipitação, com acumulados superiores a 150 mm, foram observados na região da Zona da Mata de Pernambuco, além de áreas isoladas do litoral da Bahia e Espírito Santo.

Em relação a anomalia de precipitação, verificou-se as maiores foram observadas no centro-leste de Pernambuco, quase que a totalidade da área dos estados de Alagoas e Sergipe, além do recôncavo e nordeste baiano.  Cabe destacar que estes déficits observados em grande parte do litoral leste do Nordeste, muito se da em função da alta climatologia deste mês.

Em Pernambuco, os maiores volumes de precipitação foram registrados na faixa litorânea (>150 mm), com decaimento para oeste. De acordo com as precipitações e os indicadores, não houve alteração significativa nas áreas, bem como na intensidade da seca no Estado. Assim, se mantém uma condição de seca grave no Sertão do São Francisco e parte do Agreste Central e Meridional, e de seca moderada no Sertão Central e em grande parte do Sertão do Moxotó e Pajeú. Já na maior parte da Zona da Mata pernambucana e litoral, não há evidências de seca. Em relação aos impactos da seca, estes agora se apresentam de curto e longo prazo em grande parte do Agreste, e apenas de longo prazo nas demais áreas com seca.

O MONITOR é um processo de acompanhamento regular e periódico da situação da seca no Nordeste, cujos resultados consolidados são divulgados por meio do Mapa do Monitor de Secas. Mensalmente informações sobre a situação de secas são disponibilizadas até o mês anterior, com indicadores que refletem o curto prazo (últimos 3, 4 e 6 meses) e o longo prazo (últimos 12, 18 e 24 meses), indicando a evolução da seca na região.